PHD EM ECONOMIA EXPLICA VANTAGENS E DESVANTAGENS DA RESTRIÇÃO DE CONTRATOS COM UMA MESMA EMPRESA


“Restrição de contratos com uma mesma empresa em um Projeto Público: Diminuição da competitividade e necessidade de controle do Jogo de Cronograma” foi o tema da palestra ministrada pelo pós-doutor, PhD em Economia e professor titular da Universidade de Brasília (UNB), Maurício Soares Bugarin, nesta terça (6), no XVIII SINAOP.

A apresentação foi iniciada com a fala da auditora do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e diretora administrativa do Ibraop, Adriana Cuoco Portugal, informando que a inspiração para esse estudo se deu durante a palestra do conselheiro substituto Marcos Nóbrega (TCE-PE),  no ENAOP de 2017. “Ele disse que, para entender as perdas e ganhos dos processos licitatórios, era preciso estudar, estudar e estudar. Assim, estudamos a junção das teorias de economia, principalmente a teoria dos jogos, para tentar simplificar a modelagem das licitações e obter resultados mais efetivos”.

Maurício Soares Bugarin deu continuidade, citando dois cases de licitações feitas no Distrito Federal, em que houve restrição do número de lotes a serem executados por empresa vencedora: o Programa Asfalto Novo (2013), no valor de R$ 760 milhões, e a Operação Tapa Buraco (2015), no valor de 112 milhões. “No primeiro caso, houve uma redução muito pequena do preço estimado pelo órgão publico, algo em torno de 3% a 5%. No segundo caso, em metade dos lotes as vencedoras não haviam apresentado a menor proposta, resultando em um custo adicional de R$2,6 milhões devido à restrição”, informou.

Segundo o palestrante, a restrição implica redução da competição, fazendo com que a administração pública perca a vantajosidade, não ganhando desconto significativo.

Se, por outro lado, a administração pública autorizar uma empresa a vencer todas as licitações de grandes projetos, essa fica a mercê da empresa e corre o risco de sofrer a descontinuidade dos serviços por ela prestados. “A licitação objetiva a obtenção de menor preço, mas claro, só seria vantajoso com a conclusão/entrega do objeto contratado”, ponderou Bugarin.

Em resumo, a restrição à participação tende a aumentar o custo do projeto público e pode favorecer o conluio entre as empresas, mas pode ser importante se o fato de uma empresa ficar responsável por muitos lotes aumentar consideravelmente as chances de não conseguir concluir o objeto do contrato. “É preciso, portanto, avaliar para qual tipo de projeto, em que tipo de mercado estão inseridas as empresas licitantes e o momento econômico vivenciado, para se decidir qual é a chance de abandono e, por conta disso, eventualmente, usar esse mecanismo de restrição de contratos”, concluiu.

Por fim, Bugarin orienta os órgãos de controle a se esforçarem para controlar o “jogo de cronograma”: “Segurar o pagamento da obra nos faz menos dependentes desse mecanismo de restrição. Não  adiantar o pagamento evita de a empresa acelerar o cronograma para receber antecipadamente importante parte do pagamento e, em seguida, abandonar a obra”.

Nesta quarta-feira, dia 7, o XVIII Sinop começa às 9h e segue até às 18h com intensa programação. Acompanha pelo Site, Facebook e Instagram do Ibraop!

Veja Também

PUBLICIDADE E NÚMERO DE CONCORRENTES SÃO DETERMINANTES PARA VANTAGEM EM PROCESSO LICITATÓRIO DE OBRAS

Quando sete ou mais empresas concorrem em um processo licitatório, maior o desconto e, consequentemente, a vantagem de contratação...

Continue lendo

TCE E CREA-PR firmam nova parceria para o controle das obras públicas

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PR) e o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) firmaram,...

Continue lendo

Ibraop discute projeto de Sistema Nacional de Controle de Obras Públicas

O projeto para a elaboração de um sistema capaz de monitorar obras públicas no país foi discutido e avaliado...

Continue lendo

Workshop rodoviário da Agetop deve reunir mais de 1500 pessoas

Mais de 1.500 participantes são esperados no Workshop Rodoviário 2017, coordenado pela Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop),...

Continue lendo

Resolução aprovada pelo TCE-GO adota as diretrizes de OT do Ibraop

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-GO) estabeleceu parâmetros técnicos mínimos para projetos básicos de obras públicas a serem...

Continue lendo

Certificados do Enaop 2017 já estão disponíveis

Os participantes do Encontro Técnico Nacional de Auditoria de Obras Públicas – o Enaop 2017 – já podem ter...

Continue lendo

AGENDA DE REUNIÕES – 2018

Para o curso dos trabalhos, foram programadas as seguintes reuniões presenciais para este exercício de 2018: I – Grupo...

Continue lendo

ACORDO DE COOPERAÇÃO E ATOS ADMINISTRATIVOS

Acordo de Cooperação Ibraop x IRB   ATO 02/2013 Dispõe sobre a elaboração, divulgação e capacitação de procedimentos para...

Continue lendo

TRIBUNAIS DE CONTAS ASSOCIADOS AO IBRAOP

  Desde 2006, o Ibraop tem firmado Termos de Cooperação Técnica com Tribunais de Contas, tendo como objetivo principal...

Continue lendo